A função do iluminador (ou : O desabafo)

Mais um post especial e reeditado na nova plataforma, vamos repensar em nossa profissão!!

Caro iluminado,

Venho me perguntando há um certo tempo, para ser mais honesto, há certos anos:
  • qual é realmente o nosso papel na função de um iluminador em nosso país?
  • para que servimos realmente?
  • qual é nossa realidade?

Questionando-me com meus botões – vejam que posso estar errado em meu pensamento – não existe um curso preparatório em nível superior, que nos motive a estudar um bachalerado, licenciatura, ou mesmo especializarmo-nos em níveis de mestrado, doutorado ou mesmo PhD, a não ser se formos para alguma área coligada como cênicas, artes visuais, arquitetura, filosofia, etc.

Mas é ai que nos deparamos com um outra questão que é:

  • o estudo referente AO QUE PEDEM QUE VOCÊ DESENVOLVA.

O setor acadêmico é bem direto e imparcial nesse aspecto, então cabe a você, artista, formador de opinião, desenvolvedor das artes, um “quebrador” de paradigmas, que ao entrar para a academia, descobre que é proibido realmente desenvolver o que deseja e o que realmente quer, e recomeça um ciclo que muitos estudantes antes de você já desenvolveram em suas teses, e a sua tornasse mais uma dentre as tantas…. e por ai vai.

Sempre aprendi que um iluminador tem que conhecer muito bem equipamentos, estar “antenado” com desenvolvimentos técnicos que possam auxiliá-lo em criação de seus projetos, conhecer tecnicamente cada lâmpada e detalhes técnicos dignos de um mestre.

Além do que citei, ocorre o conhecimento no desenvolvimento visual através do conhecimento e enriquecimento de sua cultura em artes visuais, história, filosofia, psicologia, fisiologia da visão, física, matemática, conhecimentos estratégicos de administração e logística, uma série de fatores que nos faltam num único curso, e acabamos por buscá-los separadamente, o que leva o mesmo, ou até mais, anos que cursar um nível superior até doutorado.

 

Vejo o “iluminador” com conhecimento amplo na área da iluminação, não somente em shows, área cênica, e por ai vai, mas também como um possibilitador para projetos luminotécnicos, afinal, trabalhamos com a mesma matéria prima que é a LUZ.

 

Acho que este post é mais um desabafo do que qualquer outro que escrevi por aqui, talvez seja por estar esgotado de ouvir tantos profissionais falando muita besteira acerca da profissão e conhecimentos necessários, bem como assistir e ver trabalhos iguais em tudo, desde teatro, dança, shows, passando por residências, arquiteturas; é notório ver profissionais da iluminação mais preocupados com seus egos do que qualquer outra coisa, preocupados em sair em revistas e em modismos, e se esquecem dos aspectos funcionais e artísticos das obras das quais assinamos.

Parte disso é nossa culpa também, pois, devíamos ser mais organizados e mais chatos com nosso sindicato, conhecermos melhor a lei e lutarmos por ela, para que nos auxilie e não somente nós corrermos atrás dela quando temos alguma problema com o trabalho nosso.

cartilha de iluminação cênica
LUZ SEMPRE!!

OBS: todas as fotos são de arquivo pessoal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *