GAIA, o mito

Caro iluminado!!!
Aos poucos estarei passando meu blog original para este, e hoje posto o meu primeiro post de 02/abril/2009, lembro me claramente quando o escrevi, e o blog foi criado para guardar muito do que já havia aprendido, então inicie-o com algo que gosto muito que é sobre a história da iluminação e todos os seus simbolismos que fizeram parte desta palavra que ora podemos considerá-lo e estudá-la pelas leis da física e químicas, ora podemos remetê-la de for mais espiritual e com sentidos esotéricos e subliminares, mas isso não nos importa nesse momento, tratarei muito sobre todas essas  vertentes ao longo de meu blog, mas iniciemos com o mito greto de GAIA:
Inicio meu blog com o mito da criação do mundo pelos gregos, contado através das belas palavras de Hesíodo, em sua poesia Teogonia:
gaia
 
 
“Pois bem, no príncipio nasceu Khaos (caos); depois Gaia (Terra) de amplo seio, a eterna base de tudo” – Hesíodo, Teogonia (116 e 117)
 
 
 

Quero já manifestar a não apologia a nenhum e qualquer pensamento religioso, somente usar essas belas palavras para poder comentar de maneira mais poética a importância da luz desde tempos remotos.

Conta a história, que Hesíodo estava com seu rebanho, começou a ouvir cantos sublimes, vozes suaves, chamando-o pelo nome e dizendo que por ordem de Zeus, seria um poeta. Essas vozes eram das Musas, filhas de Zeus, que do Olimpo o chamavam, ensinando-lhe a poesia revelando o conhecimento das origens dos Deuses.

Recentemente discuti sobre a poética da luz… sim é poesia também; a sua presença remete a algum sentimento, cria narrativa, intimando-lhe; cria paixões, beleza e ódio; cria cenários, alucinações, efeitos; envelhece, embeleza, destrói! Requisitos encontrados na poesia. Pode ser clássica, romântica, subjetiva, análoga, concreta.

Quero que comecem a perceber quanto foi importante a luz desde o começo do mundo, sabemos que na maioria das religiões, a luz surgiu da escuridão, no caso dito o Kaos, em que nosso poeta busca implicitamente demonstrar que tudo tem uma origem à luz por uma figura feminia, GAIA (Terra), a mãe!

Paralelamente a isso, penso comigo, que a luz vem a “organizar como uma mãe” um espetáculo, ou quaisquer seja a manifestação artística que ela esteja presente, a mãe concebe, cuida, pari, cria, educa, ensina!

A luz surge no processo do espetáculo desde a criação, e muitas vezes ditas nas próprias palavras do textos; está presente desde um fósforo que acende uma vela, até os sistemas mais sofisticados que encontramos em nosso mundo atual.

Já que estou abordando a cultura grega, relembro que para a apresentação de suas obras, que se passavam durante o dia, era aproveitado cada ângulo de luz solar incidente sobre os atores e o coro, fazendo com que a platéia sentada ao Theatron (arquibancada, que vem do verbo grego theastai: ver, enxergar; lugar de onde se vê), ficasse vislumbrada com as comédias e tragédias que ali os entretiam, como naquela época o fogo só era usado para demonstrar de maneira cênica a noite, aproveitavam-se do mais perfeito sistema de iluminação: o SOL.

Para encerrar a primeira postagem, dizer que quando falo em luz, refiro-me a atuação dela em sinergia ao tema proposto, fazendo parte atuante do processo cognitivo do espetáculo, tornando-se parte integrante , ativa e necessária para a sua completa realização.

cartilha de iluminação cênica

Até a próxima.

 
LUZ A TODOS!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *