Iluminação cênica e a ausência de luz necessária

Caro iluminado, vamos falar do escuro, da sombra, ausência de luz na iluminação cênica !
 
 

Fazendo uma analogia à “falta de luz”, falo um pouco sobre a sombra (tecnicamente é a ausência de luz), sabemos que uma luz a pino cria sombras no rosto, deformando-o de tal maneira, que podemos brincar com este ângulo em cenas mais dramáticas; em espetáculos que utilizam-se de luz ultra violeta (teatro negro), aguça nossa criatividade do mágico, do imaginário; em filmes de terror tudo ocorre a noite, em locais escuros; já perceberam, que mesmo num dia ensolarado, caso estivermos prontos para explorar uma caverna, por exemplo, ainda temos receio de entrar?

 
 
 
 

E quando eu quero enfatizar determinada silhueta? Quando quero causar uma sensação de desconforto visual ou mesmo deformar um corpo ou objeto em cena? Para estas respostas, existem estudos de ângulos para incidirem de maneira que façam um “jogo de sombras” proposto em cena.

 
 
 
 

Podemos manipular essa ausência de luz, conhecendo um pouco sobre artes plásticas, acredito que Caravaggio, pintor barroco, soube expressar isso muito bem em suas obras, então, falarei um pouco sobre um de seus quadros que acho fantástico, que é “A vocação de São Mateus”,(1599-1600) alguns lugares poderá encontrar como “Invocação de São Mateus”, mas o que nos interessa é um estudo de detalhes desta, que está entre suas maiores pinturas, mede 3,22m X 3,40m, pintura em óleo sobre tela, encontra-se atualmente na Igreja de San Luis de los Franceses – Roma (Itália).

 
“Jesus viu um homem chamado Mateus, sentado na coletoria de impostos, e disse-lhe:
“Segue-me!” Ele se levantou e seguiu Jesus.” (Mateus 9,9)


No quadro acima, temos uma obra do período barroco, podemos dizer que é uma obra realista, baseada num texto bíblico em que São Mateus é chamado por Jesus Cristo a tornar-se apostulado, e Caravaggio demonstra isso em duas situações visuais, através da expressão nos rostos e nas sombras que os permeiam.

Percebam que temos a luz como significado e personagem da cena, o ângulo que incide da janela direita, no plano superior, como se fosse uma luz divina, faz uma luz bem “focada” na parede, demonstrando bem os rostos das pessoas na mesa, ao mesmo tempo em que segue o gesto da mão de Jesus; uma luz colocada propositadamente para melhorar tais expressões, e consequentemente o rico vestuário de seu desenho.

Já oposto a esta luz, podemos perceber uma luz “frontal” para enxergar melhor a cena, é uma luz mais leve (ou soft), somente para delinear um outro lado, mas o destaque é São Mateus, sentado ao lado posterior da mesa com os cobradores de impostos, não entrarei em detalhes da pintura, senão ficaria horas tecendo comentários e seria cansativo demais, então atento-me a ser um mero visualizador somente na iluminação da pintura do quadro.

Abrindo o jogo agora com vocês, este estilo de contrastes tem um nome: tenebrismo e foi criado por esse gênio, nada mais é que o efeito de projetar a luz sobre as formas com violência e em contraste intenso e brusco com as sombras, usando sempre fundos planos e sem luminosidade nenhuma, destacava sempre intensamente o primeiro plano, geralmente os rostos, marcando o início de uma grande conquista da pintura barroca, e já exacerbando uma reação ao naturalismo, frente ao idealismo renascentista.

Caravaggio que me perdoe o que pedirei agora, rsrsrrs, mas pensemos esse quadro como seria sem esse contraste de luz, sem formar as sombras, se fosse com mais intensidade, mais brilho,, (uma luz “chapada” como falamos) será que os traços dos rostos dos personagens em cena continuariam da mesma maneira? Teríamos mais a mesma sensação de um convite divino? Com certeza não, mas por quê?

A luz que incide da janela nos remete ao significado transcedental, é como se chamasse : “Venha comigo, estou no seu aguardo.”, é dar destaque a peça principal da cena em que ocorre ação, nesse caso o chamado, a convocação por Jesus para que Mateus tornasse apóstolo.

 
Perceberam que para a sombra, a incidência de ângulo é uma ferramentas que em nossa prática de iluminação, é imprescindível estudá-la de maneira minuciosa, e lembremos que com a ausência de luz pode iniciar o início ou final de alguma apresentação, por isso tomem cuidado com BO (Black Out) entre cenas.
 
 
 
Bem, termino o post de hoje dizendo que:
“Ao mesmo tempo em que a ausência de luz é reprimida, a sua permanência é quase que obrigatória no sentido poético, dando acabamento na cena quanto ao tema proposto.”Abraços iluminados… e com convocação para deixarem seus comentários também, e abaixo uma brincadeira com sombra, depois de um texto denso como esse.. divirtam-se…….
cartilha de iluminação cênica
LUZ A TODOS!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *