Iluminação cênica e sombras: 21 artistas – parte 2/5

Venha aprofundar mais seus estudos na iluminação cênica e suas sombras nesta série especial

Fala iluminado, blz?

Nesse nosso segundo encontro está bem diversificado, acho que terá muitas inspirações com os artistas.

Lembrando que os 21 artistas que comento, estão em ordem alfabética e com trabalhos muito variados da iluminação cênica com diversos objetos, que poderão ajudá-lo em ideias e inovações para seus projetos.

Hoje comento sobre um brasileiro que tem um trabalho maravilho com teatro de animação, na sequência passo pela escrita árabe que numa criatividade tremenda projeta sombras com cenas impressionantes, também verá os arabescos de Alhambra num pendente magnífico, numa peça giratória verá Michael Jackson e grandes paredões com arte projetada para iluminação natural que acompanha as mudanças da luz solar e outras curiosidades que deixarei você encontrar com os 21 artistas que selecionei para essa postagem especial de início de 2017.

Os artistas presentes desta segunda são:

2 – Alexandre Fávero: artista brasileiro, profissional e pesquisador em criação e manipulação em teatro de sombras

3 – Anila Quayyum Agha: pasquitanesa e artista plástica que transforma espaços com sua grandiosa arte

4 – Bassam Al Selawi e Maysoon Masalha: são da Jordânia, criam esculturas com escritas árabes que formam desenhos singulares

5 – Diet Wiegman: holandês e artista multidisciplinar que traz Michael Jackson à sua escultura em movimento

6 – Fabrizio Corneli: italiano de Firenze, artista plástico que dedica parte de suas obras com a luz natural e em grande paredões

 

cartilha de iluminação cênica

 


2 – Alexandre Fávero

Ator e artista brasileiro e Porto Alegre; é cenógrafo, diretor, pesquisador, encenador, ator, sombrista, diretor de arte, produtor, aderecista, bonequeiro e cenotécnico. Diretor da companhia especializada em sombras Cia Teatro Lumbra de Animação e Clube da Sombra (abaixo os links).

É com prazer que inicio a série “Iluminação cênica e sombras” com esse grande mestre, que tenho o prazer de conhecê-lo pessoalmente e, coincidentemente, também abre nossa semana especial de 2017 e nos mostra seu talento.

Alexandre Fávero e sua equipe do teatro Lumbra, são referências através de seus projetos na América do Sul por seus diversos trabalhos para teatro de sombras, conta com divulgações em revistas e sites especializados.

Abaixo um trecho em que comenta a necessidade do treinamento do “VER”, enquanto a percepção do sombrista:

A visão e o olhar na cena (trecho extraido do link: http://dramasombra.blogspot.com.br/2012/01/reflexoes-sobre-as-regras-e-o-jogo-na.html)

“Ver” o que acontece na cena de sombras exige um treinamento específico para ampliar o campo de visão além daquilo que está disposto frente aos olhos ou daquilo que se usa para realizar a cena. O olho do sombrista é exercitado para imaginar e ver aquilo que não é visível. A imaginação faz parte desse olhar diferenciado, pois é o recurso usado para inventar as imagens. Antes de praticar com imagens que não existem, o sombrista precisa ver aquilo que está lá, mesmo que seja em condições inapropriadas.

Segue um vídeo com a “convivência artística imersiva promovida pela Caixa do Elefante Teatro de Bonecos e UNIMA – CAL”:

Links para que possa pesquisar mais e entrar em contato:

http://clubedasombra.com.br/

https://www.facebook.com/clubedasombra/

https://www.youtube.com/ watch?v=5SGA339qwYU&list=PLAEC87BF232E05034

http://dramasombra.blogspot.com.br/

 

Revista UMBRA, especializada em Teatro de Sombras com artigos de Alexandre Fávero e outros sombristas da América do Sul, uma indicação excelente para conhecer mais sobre a técnica e outros artistas:

https://issuu.com/revistaumbra/docs/ numero1

https://issuu.com/revistaumbra/docs/ numero2

 


3 – Anila Quayyum Agha

Artista plástica pasquitanesa que nos brinda através de sua instalação “Inersections” no Rice Gallery, com uma obra utilizando a sombra através de uma única fonte de luz.

A inspiração é sua experiência seminal de exclusão de Agha como uma mulher das Mesquitas, um espaço de comunidade e criatividade, enquanto crescia no Paquistão. O friso de madeira emula um padrão do Alhambra, um palácio onde os discursos islâmicos e ocidentais se encontraram e co-existiram em harmonia, e serve como uma metáfora da união.

O vídeo mostra alguns detalhes da obra “Intersections”, mais sobre ela, poderá ver no link logo abaixo:

Links para que possa pesquisar mais:


4 – Bassam Al Selawi e Maysoon Masalha

Artistas da Jordânia e se formaram em artes plásticas na Universidade Yarmook, e num trabalho desafiador e gratificando, ensinaram arte em escolas das Nações Unidas para os palestinos refugiados, e Masalha acrescenta que:

“… foram os períodos mais importantes em sua carreira educacional.”

Como ela viu o impacto positivo que a arte estava fazendo nas crianças e na sociedade, acreditando no poder da arte para mudar o mundo para melhor.

Em 2012 mudaram-se para Abu Dhabi e criaram Abu Dhabi Art Hub divindem sua arte com processos administrativos e de ensino, além dos trabalhos em conjunto também desenvolvem trabalhos individuais

O vídeo mostra a obra “Shadow Art & Ceramic Sculpture”, preste atenção ao detalhes requintados da cultura Palestina que formam sombras com uma riqueza de detalhes impressionantes:

Links para que possa pesquisar mais:

http://www.baginskaya.com/artists/bassam-al-selawi-and-maysoon-masalha

http://gulfnews.com/culture/arts/a-hidden-world-in-the-shadows-1.1352425

http://baginskaya.com/gallery/artworks?field_media_tid=All&field_artist_nid=450

 


5 – Diet Wiegman

Holandês e artista visual, nasceu em 24 de janeiro de 1944, sempre se comprometeu em toda sua carreira em ser um artista multidisciplinar, faz desenhos, pinturas, objetos de vidro e cerâmicas, arte-performance e esculturas de arte pública, mas seu maior destaque são suas esculturas de luz, em trabalha a projeção de formas a criarem uma silhueta através das sombras, um trabalho seu icônico de suas esculturas.

É um artista visual em aplica-se na junção com suas performances entre música, dança e teatro, integrando sua arte à combinação de suas obras, criando muitos períodos em sua carreira, em que argumenta:

“Faça uma correlação à vida, assim como cada pessoa reutiliza suas primeiras experiências e memórias e as combina com novas conquistas do presente”.

Foi eleito o artista mais brilhante da Holanda em 2009 e 2010, possuindo sua arte expressada desde o espaço público até em propriedades de museus, galerias e colecionadores no mundo todo.

Prestem atenção nesse vídeo e verão que a forma se transformará num dos artistas mais conhecidos em todo o mundo: Michael Jackson, na obra “Shadow Dancing”:

Links para que possa pesquisar mais:

dietwiegman.tumblr.com/

http://www.hollandartexhibition.com/artists/diet-wiegman/

www.thisiscolossal.com/2013/03/light-sculptures-by-diet-wiegman/

www.arch2o.com/shadow-art-diet-wiegma n/

 


6 – Fabrizio Corneli

Esse artista italiano, nascido em Firenze no ano de 1958, possui esculturas que recebem iluminação artificial e natural, projetos desde galerias de arte a obras em paredões de vias públicas que se transformam pelos períodos dos dias e estações do ano.

Em seu site, comenta sobre sua forte relação com a luz e que impulsiona sua forte criação e sensibilidade com os objetos que projetam suas instalações e que o tornam um artista original e audacioso, que descrevo numa livre tradução:

“(…) As primeiras construções humanas ligadas ao pensamento de que foram libertados de necessidades práticas imediatas foram conectados com a luz.

Os menires, as construções de Stonehenge, os obeliscos e as grandes construções astronômicos combinar três grandes temas: luz, tempo e do cosmos. Isto é expresso na forma do halo (…)”

No vídeo verá seu projeto “Kobe“, de 2001, com detalhes desde o briefing, apresentação, execução e entrega de sua obra numa parede gigantesca:

Links para que possa pesquisar mais:

fabriziocorneli.ne t

www.ufunk.net/artistes/fabrizio- corneli/

 


 

Atenção importante para os avisos a seguir:

  • Os artistas mencionados fazem parte de meu projeto de pesquisas em iluminação desde o início dos anos 2000.
  • Tenho a função de apenas divulgar as diversas formas de trabalho com iluminação (como podem ver em meus posts).
  • Não existe nenhuma remuneração neste post por nenhuma das partes.
  • Caso haja algum problema e algum artista não goste da publicação, peço a gentileza de entrar em contato comigo para que seja retirado da lista.

 

Até o próximo post ser iluminado.

cartilha de iluminação cênica

LUZ SEMPRE!!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *